Tag Archives: mídia

Influxo

De seus olhos de cristal líquido

escorrem lâminas de retroprojetor.

Saudades de um passado ético

expostas num museu mítico.

Se meus dedos teclam os emoticons

mais precisos para te conquistar,

vou ignorar a netiqueta:

Quero carne, suor, olhares e

ciberexcesso no blackout.

Sabendo o peso do material

eu sei que é mais legal,

etc. e tal.

Memórias de juke – 24/4/2009

Na juke, a cada três ou quatro minutos, renovava-se o naipe de metais à la mariachi. Depois meu resto de consciência retornava pra mesa, pro copo, pro cinzeiro, até pro assunto. Não dá pra ficar atento o tempo todo com a cornucópia (trocadilho acidental) de música sertaneja. Minha genética metropolitana e cabeçóide tampouco durava em escrutinar o tanto de “cultura popular” – e exótica pra mim – que me entrava pelos ouvidos. Tentei falar que-porra-de-raíz-que-nada! Isso é mariacchi. O que não for, é pop-lixo-latino. As caras de paisagem que vi, que me viam, trouxeram minha atenção pro copo de novo. Bebo rápido demais nessas ágapes. Difícil, não vai dar pra ver o sol nascer. A diferença é que por aqui é chapéu de caubói, na América espanhola é visual de metaleiro-de-banho-tomado. Eu devia comer algo, tomar água. Cruel é estar nesse boteco sórdido, que tudo respira sórdido, e nada do sórdido legal. Um maluco engraçado, umas desclassificadas, uma outra juke totalmente, sinuca de ficha. Tipo sordidez antisséptica, aqui. Talvez aquela coxinha velha da vitrine, a batalha das benesses da farinha no estômago com o biohazard da fritura velha. “Quer saber?” – ninguém fez cara de quero-saber – “tô fora da reforma ortográfica e vou hifenizar até a puta-que-os-pariu”. Acho que tá cedo pra soltar palavrão, de mãe e tal, mesmo que a puta-que-os-pariu esteja esvaziada de sentido. Se quiser ofender alguém, chama de “bobão”, Aí, bobão! Desconcerta um sujeito, parte pra ignorância ou responde bobão-é-seu-nariz? Não sou muito íntimo. Se eu mudar pra 51, vou ter que rachar a conta igual? Tô curto, podia pegar um táxi pra vazar. Tipo agora. Aparentemente, alguém gastou o salário no diabo da juke, deve ser aquele indivíduo estacionado que nem um dois-de-paus em frente à máquina dos infernos. Tem som que a gente ouve que tinha que ser inconfessável, ouvir trancado. Credo, coxinha nojenta (tem aquela pimentinha, amigo?). Hoje meus dias são de tristeza e solidão, trago em minh’alma uma profunda conformação; renunciei meu grande amor, um dia, até que é massa essa música. Preciso ir embora. Estamos todos olhando pra melhor bunda-solteira do recinto e comentando e tal, que a gente gosta muito e tal, o que que a gente fazia se pegasse e tal. Deixa eu ver quem parece mais travado que eu. Minha carona, virgem-santa, olhos-bóia. O salgado deu uma aliviada, mas tem gente saindo, deixando bolinhos de dinheiro embaixo do saleiro. Isso às vezes é bom, às vezes é péssimo. Não toque em mim! Hoje descobri que você não é nada, essa até eu conheço, lá-lá-iá, fazer amor pra te ferir lá-iá-lá-iá, não-sei-que-mais, preciso vazar. O problema dessa música – traz mais uma, velho – é…está na indústria cultural, nós somos o produto, meu chapa, e somos nós mesmo que tragamos…que pagamos, tá ligado? Putz, tem aquela voz dentro de mim dizendo que eu parei de fazer sentido, se já não estava antes, você-não-é-daqui-né? Não. Preciso vazar.

Serviços em Uberlândia – parte 2

Devido ao estrondoso sucesso do meme (mememeu!) Serviços em Uberlândia, sigo publicitando quem merece no Portal do Cerrado:

OFICINA MECÂNICA GRANDE

R. Rosa Costa Souza, 120 – Daniel Fonseca
Uberlândia – MG, 38400-304

(34) 3238-4491

Rapaz, aquilo parece um posto de saúde (dos limpos, de filme, quero dizer). E a parede atrás do balcão tem mais diploma do que poderiam ostentar Zerbini, Jatene e Pitanguy.

Marcelo Grande, o proprietário, é um verdadeiro geek do riscado automobilístico. Sabe do que fala, passa confiança e cobra na justeza.

Só no sebo

O problema das livrarias começa com a maioria delas estando enterrada dentro de um Shopping Center. Acho que se pode dizer que quem gosta de livros os consome, mas é um consumo algo mais pagão e multifacetado do que o possível no templo da gordura hidrogenada e do “sale” (sapore di sale, sapore di mare). É claro que depois a crise passará pelos livros: de cara, a vitrine é um espantalho (Nevermoooore,  vaza, malandro!). Os primeiros passos me colocam em contato com ilhas temáticas, todas elas vão me ajudar em alguma coisa: ficar magro rico feliz culto. Existem livros – é claro – e muito mais: derivados de livros, como se livro fosse leite, que azeda e vira algo ainda mais legal. As pulgas do Marley, as espinhas do Harry Potter, o Segredo (do Morcego, do management, do escambau), a dieta de empresário de sucesso, os dez mandamentos de qualquer coisa. Tem também essa conversa de “edições belíssimas”: se pega um escrito (mais dos “highbrow” e preferencialmente de domínio público) e toca a pôr papel esquisito, livro que abre pra cima, dentro de caixa, com bordadinho.

Volta e meia eu ganho um livro de presente (porque eu “leio muito”) e é batata: lista da Veja, “diz que é muito bom” e tome sofrimento, garimpando pra trocar por algum livro sobretaxado em “edição belíssima” de um texto grego ou coisa que o valha. Sou a favor de livraria vender cerveja, que eu troco por crédito na loja.filhos-do-povo-thn

Sebo é outra história, que também tem suas chatices, mas é onde se encontram os livros legais, naquela puta bagunça, preço baratinho (em sebo fresco de quem “sabe o que está vendendo” eu não entro). Livros pra levar e ler. E pra falar de edições especiais, qualquer livro que venha do sebo é único, com suas orelhinhas, “pertence a…”, com anotações às vezes esquizofrênicas, carimbos, marcadores de página bizarros.

Este papel que segue encontrei em um livro, que não me lembro qual, um hino anarquista espanhol transcriado aqui para o português, presente em várias publicações operárias. Seria o original? Cosac-Naify não faz melhor em termos de eye-candy.

Filhos do Povo

Filhos do povo, que sofreis em extremo,

Lenta agonia, sem luz e sem ar,

Mais vale o esforço de um acto supremo;

Se a vida é pena, mais vale lutar!

Mais vale lutar!

Esse vil mundo que atrós vos consome

Sobre esses hombros, despotico está;

Lançai-o à terra, mataio de fome

Força suprema (viril), que o braço vos dá!

Revolução! abre o porvir

A exploração ha-de sucumbir!

Ação, ação, não pedir leis;

Valor e união que livre sereis

Tomai de vez, o bem estar

Contra o burguês

Lutar! Lutar!

Quando num gesto viril soberano

Numa revolta de anteu produtor

Dissipe o homem, neblina de engano

Retome a terra, repila o Senhor!

Repila o Senhor!

Sobre o escombros a livre comuna

Sem leis e sem amos, vivaz surgirá!

Que a liberdade, na vida nos una,

Se tudo é de todos, escravos não há!

Ah Revolução! abre o porvir.

A exploração hade sucumbir

Ação, Ação, não pedir leis

Valor e união de livres sereis

Tomai de vez, o bem estar

Contra o burguês, lutar, lutar!

Mídias sociais

Pode-se até inferir uma naturalidade na gloriosa ciência do marketing, ver que as novidades em matéria de promoção cruzam fronteiras sem o menor problema. Quem bolou a primeira notinha xerocada no estilo “senhoras e senhores estamos aqui”? E quanto tempo levou pra “virar viral”?

A nota abaixo recebi em uma Montevidéu decadente, cheia de meninos de calle:bilhete.jpg

A seguinte recebi de um amigo guardador de carros, um libelo pela evolução do transporte público. Um tanto de polissemia pra quem gosta:
amigo-2real.jpg

Alguém usou o PageMaker – quem sabe – fez o layout, meteu na gráfica, teve guilhotina e aquela colinha vermelha de fazer bloquinho, tudo pra conseguir um amigo, uma espécie de “me add aê, senão…”. Mas eu estava sem trocado.