Técnicas de terrorismo na conversação (parte 1, quem sabe?)

A página “Conversational Terrorism” está no ar há um bom tempo e organiza técnicas de argumentação malvadas que podem ser encontradas – ditas e ouvidas – diariamente. Eis a tradução livre de algumas delas:

Variações Ad Hominem (ataques contra o interlocutor)

  • Muita areia pro seu caminhãozinho

“Eu lhe explicaria isso, mas considerando sua formação e inteligência, tenho certeza de que você não entenderia”

  • Até você

“O próximo conceito é tão claro que até você entenderá”

  • Você vai acabar concordando

“Na sua idade eu também pensava assim”
“Quando você amadurecer emocionalmente (ou intelectualmente, ou espiritualmente), vai mudar de idéia (e concordar comigo)”
“Você é novo aqui, não?”

  • Acusação de otimismo (wishful thinking)

Ao invés de combater uma opinião do interlocutor, esta técnica sugere que o processo pelo qual esta opinião foi construída nasceu errado. É não explicar qual o problema de uma idéia, mas porque o dono da opinião está errado.

“Você defende a pena de morte devido a um desejo assassino enraizado comum entre vítimas de traumas emocionais na infância.”
“Você é contrário à pena de morte por causa de um tabu irracional e reprimido da morte, comum entre pessoas vítimas de traumas emocionais na infância.”
“Você bateu muito a cabeça na infância, não é mesmo?

2 thoughts on “Técnicas de terrorismo na conversação (parte 1, quem sabe?)

Comments are closed.