A juventude do tango

O tango argentino é uma das grandes contribuições da América Latina para a música mundial. É vivo, orgulho em seu país, protegido e cultivado pelas diferentes gerações. Desde Carlos Gardel (1887-1935), que “canta melhor a cada dia” segundo dito popular argentino.

Uma de suas características é a blindagem contra ataques de comercialismo. Compare-se com a depredação aos nossos samba, forró e sertanejo; o tango, inclusive, mantém o frescor devido aos debates acirrados entre conservadores e renovadores do estilo. Desde o gênio de Piazzolla, criticado e finalmente erguido ao panteão de seus maiores gênios, até o recente Gotan Project, grupo suíço-franco-argentino (!), que busca unir o universo eletrônico ao gênero e o consegue com louvor, levando mais uma geração a cultuar sua música nacional e reconquistar o mundo.

Além do reducionismo da música exótica e erótica lá do fim do mundo, o tango possui uma riqueza musical e mitológica valiosa, sempre evoluindo ao beber das fontes originais. Tudo isso na América Hispânica de um bizarríssimo, anacrônico mau-gosto na música pop.
Segue, do Gotan Project, a faixa “Diferente”, do CD “Lunático” (2006).

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

por helil

One thought on “A juventude do tango

Comments are closed.