Disseste

Uma parte dos aspirantes à glória da Literatura Universal torce o nariz para a idéia do “blog” (indiscutível o mau batismo, a cacofonia de todo blog-vocabulário em português – blogar, blogueiro, blogosfera etc.). Qualquer um que gostaria de ser conhecido como escritor e renega qualquer oportunidade de escrever, é um cabotino.
Eis José Saramago, de quem pode-se até lamentar, mas que é impossível negar a referida glória, escrevendo um blog “na medida”: tomando como referência seu próprio trabalho impresso, seu “Caderno” não existiria se não existissem os blogs e, que bom que eles existem e que o escritor não consegue parar de escrever. Que bom também que ele, em tempos de tão pouco diversas unanimidades, publica tanto textos pra se discordar como outros como esse.

2 thoughts on “Disseste

  1. Eu já conhecia o blog e, confesso, fiquei impressionado com a quantidade de textos e a intensa atualização. Será que o velhinho português escreve tanto assim ou publica os textos que escreveu e nunca foram aproveitados?
    Eis uma dúvida que absolutamente não importa!
    Abraço!

Comments are closed.